Confira as novidades de março de 2024 dos projetos do Mater Natura

Compartilhe esse conteúdo

Gestão de projetos de estudos do Patrimônio Espeleológico no Paraná

Em 25 de março de 2021, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), por intermédio do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (CECAV), firmaram com a empresa Margem Companhia de Mineração (Supremo Cecil Cimentos) o Termo de Compromisso de Compensação Espeleológica – TCCE nº 01/2021. O objetivo era consolidar as obrigações das partes para a execução de seis projetos visando a compensação pelos impactos negativos irreversíveis ocorridos em cavidades naturais subterrâneas. 

O Mater Natura foi o responsável pela gestão administrativa-financeira destes projetos, sendo que em março de 2024 foram entregues ao CECAV/ICMBio os relatórios técnicos e financeiros finais destes projetos. Desta forma, o projeto se encaminha para a sua finalização neste mês de abril, após a realização da última reunião do comitê gestor de acompanhamento dos projetos, que é composto pelo CECAV/ICMBio, Mater Natura e a Supremo Cecil.

Localização do Supergrupo Açungui no Vale do Ribeira (SP e PR), onde foram executados 5 dos 6 projetos

Bosque Pequeno Príncipe

Manual do Bosque Pequeno Príncipe é um documento técnico, elaborado para orientar a utilização sustentável de um bosque nativo situado na área em construção para abrigar nova unidade do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba-PR, sendo composto pelas seguintes partes: caracterização geral da área; mapa ilustrativo, incluindo a identificação das áreas permitidas à visitação; normatização para o uso da área; e sugestões de abordagens a serem desenvolvidas com o grupo de escoteiros usuário do espaço, de acordo com os potenciais usos identificados no processo de elaboração do documento.

Em março de 2024 foi efetuada uma visita a campo com o objetivo de realizar a marcação de traçado sugerido para a trilha das Borboletas. Além disso, foi entregue à equipe do Complexo Pequeno Príncipe a primeira versão do Manual, para revisão e contribuições e a entrega da prévia, e a da elaboração do mapa contendo o traçado das três trilhas principais.

Plano Diretor Florestal de Região Hidrográfica

projeto Integra Guandu  tem por objetivo principal a elaboração do Plano Diretor Florestal da Região Hidrográfica II, além da concepção de 12 Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica (PMMA) dos municípios inseridos total ou parcialmente na mesma região, no Rio de Janeiro. 

Iniciado em setembro de 2021, o projeto concluiu a elaboração dos PMMA, tendo todos sido aprovados pelos respectivos Conselhos Municipais de Meio Ambiente. Em fevereiro de 2024, foi realizada uma oficina junto ao Comitê das Bacias Hidrográficas dos rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim (Comitê Guandu-RJ) para discutir a Matriz de Planejamento do Plano Diretor Florestal. 

Atualmente estamos realizando a compilação final e revisão do documento que consta, basicamente, dos seguintes itens: Diagnóstico, Áreas Prioritárias para Conservação e Recuperação, e Plano de Ação. Na sequência, o documento será submetido à análise do Comitê Guandu e apresentado para aprovação em reunião prevista para o mês de abril. 

 

RPPN Sonho Meu I e II

Revisão do Plano de Manejo da RPPN Rancho Sonho Meu I e II foi iniciada em julho de 2023, a pedido dos proprietários da área, Nicolaas Johannes Biersteker e Douwtje Cornélia de Geus. A revisão dos Planos de Manejo, criados pelo Mater Natura em 2010, já contemplou a realização dos levantamentos secundários e elaboração de mapas das áreas. 

Em novembro de 2023, a equipe esteve em campo para realização dos levantamentos primários de dados. Após esta fase, realizamos o diagnóstico e demos início à revisão do zoneamento e dos programas de manejo. Em março de 2024, finalizamos uma primeira versão do documento que foi encaminhado para os proprietários para avaliação.  

Foco na comunidade do Quilombo Rio Verde

A equipe do projeto Sementes e Mudas do Quilombo para a Grande Reserva, aprovado junto à Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, tem trabalhado conjuntamente com a comunidade do Quilombo Rio Verde para as próximas etapas das capacitações e organização das atividades de coleta de sementes dos próximos meses. O foco, por hora, está na busca ativa de parceiros para o estabelecimento de atividades comerciais relacionadas com a cadeia produtiva da restauração ecológica para promover novas possibilidades de geração de renda na comunidade e no incentivo ao uso sustentável dos recursos naturais.

Restauração de manguezais paranaenses

projeto Olha o Clima, Litoral! é realizado pelo Mater Natura com apoio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Neste mês de março de 2024 demos continuidade à retirada das braquiárias-d´água (espécies exóticas invasoras) nas áreas de brejos salinos e manguezais, bem como ao monitoramento da avifauna e da flora nativa em recomposição nestas mesmas áreas. 

Além disso, a equipe da área socioambiental do projeto iniciou o Curso de Formação com os coordenadores das escolas municipais de Matinhos-PR. Realizamos, ainda, uma reunião com o Sr. Dilton de Castro, coordenador do projeto Raízes da Cooperação – também financiado pela Petrobras – para colaborar na elaboração de um livro sobre manguezais.

Restauração Ecológica na Mata Atlântica

O projeto Paisagens Conversas: Restauração Ecológica na Mata Atlântica foi iniciado em setembro de 2023 e se estenderá até agosto de 2031, com o objetivo de efetuar a restauração florestal em 289,54 ha da vegetação nativa em três municípios de Santa Catarina. Coordenado pelo Mater Natura, sua execução será realizada em rede com a parceria de outras quatro ONGs e o apoio de órgãos públicos sediados naquele estado (IBAMA, FUNAI, INCRA e IMA). 
 
No primeiro semestre do projeto foram realizadas atividades para o cumprimento de sua Meta I, ou seja, o Diagnóstico ambiental e socioeconômico que no fim de um ano de trabalho subsidiará a elaboração da versão final do projeto de restauração, já com dados primários obtidos em campo. 
 
Dentre as atividades realizadas, destacam-se reuniões para apresentação do projeto às autoridades e lideranças locais nos três municípios (Dr. Pedrinho, Santa Terezinha e Vidal Ramos); reuniões com os órgãos públicos parceiros; realização de parcelas de monitoramento da vegetação (fitossociologia) das áreas a serem restauradas (situadas na Reserva Biológica Estadual do Sassafrás e Projeto de Assentamento (PA) Águas Cristalinas e PA Morro do Taió I e II); a prospecção, marcação de matrizes e a coleta de sementes de espécies alvos da flora; e o diagnóstico das espécies da flora consideradas exóticas invasoras e apresentação de Plano de Ação para sua supressão e recuperação das áreas afetadas.
 

Restauração Ecológica no Litoral do Paraná

O projeto Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica foi iniciado em dezembro de 2021, visando a restauração e enriquecimento florestal em unidades de conservação, bem como o fortalecimento da cadeia produtiva da restauração florestal no litoral do Paraná. 
 
A continuidade das atividades de combate às espécies invasoras e a condução da regeneração natural até o final de março de 2024 permitiu o manejo destas áreas nos meses mais quentes do ano, onde a competição dos agentes inibidores com as mudas plantadas e com as mudas da regeneração natural é muito maior. 
 
Até o momento foram cadastradas 384 matrizes de 89 espécies arbóreas e coletados cerca de 1,5 tonelada de frutos. Com o aditivo do projeto (janeiro a março de 2024), foi possível dar continuidade à marcação e monitoramento de árvores matrizes, à coleta de sementes e à entrega das sementes para os viveiros parceiros. 
 
Ainda, pudemos consolidar o mapeamento e mobilização, já iniciada, de uma ampla matriz que envolve mais de 50 atores locais, incluindo o poder público, instituições de pesquisa, organizações da sociedade civil, espaços de participação social, produtores rurais, viveiros comunitários, institucionais e particulares, e gestores de unidades de conservação. Tudo isso visando favorecer ações que contribuam para a governança territorial no sentido de garantir a ampliação do arranjo de atores locais com potencial de atuação futura na restauração ecológica.
 

Conservando Relictos do Cerrado no Paraná

Já em relação ao projeto Cerrado Paranaense – fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração, a primeira etapa da restauração do Parque Estadual do Cerrado consistiu na retirada dos fatores de degradação, ou seja, no combate às espécies exóticas invasoras, de modo a controlar a invasão dessas espécies bem como restabelecer o ambiente savânico e facilitar a regeneração natural.

A estratégia de combate às espécies exóticas levou em consideração a distribuição e facilidade de acesso às áreas de invasão. A invasão de pinus era generalizada, sendo mais intensa nas proximidades da encosta do rio Jaguariaíva, onde existiam aglomerados compostos de indivíduos fundadores (árvores mais antigas com alta produção de sementes), rodeado por indivíduos de diferentes tamanhos. Já a invasão de eucalipto e braquiária se dava de forma concentrada, ao longo da estrada que faz a divisa sudoeste do parque, com a presença de indivíduos de eucaliptos de diferentes idades no entorno de indivíduos fundadores.  
 

Projeto Selva: Turismo Científico e Ciência Cidadã

No Projeto Selva: Turismo Científico e Ciência Cidadã, apoiado pela Teia de Soluções da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a equipe segue com as ações que visam a  estruturação do Turismo Científico na RPPN Encontro das Águas em Paranaguá e seu envolvimento com o entorno. 
 
Dentre as ações realizadas em março último destacamos: testagem e configuração dos equipamentos de monitoramento ambiental; a elaboração dos programas de manejo para o Plano de Manejo da RPPN e o croqui do circuito de trilhas; o levantamento de informações para
para elaboração do inventário turístico no entorno da reserva; e a organização de atividades de comunicação do projeto, que irão contemplar nos próximos meses a realização de uma oficina comunitária e dois webinários que em breve serão divulgados. 

Trilha da RPPN Encontro das Águas. Foto: Vitor Pavan

Projeto Reservas Particulares do Lagamar Paranaense

Apoiado pelo Programa TAJ Litoral do Paraná, gerenciado pelo FUNBIO, o projeto visa oferecer apoio à implementação e proteção de três Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) no litoral do Paraná.
 
No mês de março de 2024 a equipe atuou no levantamento e organização de informações para a elaboração dos planos de manejo das RPPNs Encantadas e Graciosa.  A equipe realizou o monitoramento fenológico de árvores matrizes cadastradas e a coleta de sementes que foram enviadas ao viveiro e laboratório do Instituto Água e Terra (IAT), além do manejo e manutenção das áreas em processo de restauração florestal beneficiadas pelo projeto.
 

RPPN Encantadas em Antonina. Foto: Mater Natura/Raphael Serafim da Luz.

Lista de Espécies de Fauna Silvestre Ameaçadas de Extinção no Estado de São Paulo

Durante o mês de fevereiro e março de 2024 foram realizados esforços para a compilação de dados e construção da lista de fauna com registro para o estado de São Paulo. A compilação tem como foco vertebrados e invertebrados contidos no Decreto estadual nº 63.853/2018, além de outros grupos não constantes na lista como polinizadores e fauna cavernícola. 
 
A ação está prevista no Plano de Ação Territorial (PAT) Cinturão Verde de São Paulo, realizado no âmbito do Projeto “GEF Pró-Espécies: Estratégia Nacional para a Conservação de Espécies Ameaçadas” e sob a coordenação da Secretaria Infraestrutura e do Meio Ambiente de São Paulo – SIMA/SP. Saiba mais sobre o projeto aqui.

Plano de ação territorial Caminho das Tropas Paraná

No mês de fevereiro e março o Mater Natura, através do seu consultor Peterson Trevisan Leivas participou da Oficina da Revisão do Plano de Manejo da APA da Escarpa Devoniana no município de Ponta Grossa, Paraná. 
 
Ainda, no âmbito do projeto o consultor participou de forma remota da Reunião do Comitê Executivo do Projeto GEF Pró Espécies realizada em Brasília. Durante a reunião, foram apresentados os principais resultados obtidos no segundo semestre de 2023 na implementação das ações do Plano de Ação Territorial (PAT) Caminho das Tropas Paraná – São Paulo. 
 
O Projeto é implementado no estado do Paraná sob coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável (SEDEST) e maiores detalhes do projeto, bem como o Sumário Executivo do PAT podem ser acessados no site, no Instagramou aqui.

Interações ecológicas de beija-flores

Projeto Developing the predictive ecology of plant-animal interactions across space and time (EPHI, acrônimo para ecology of plant hummingbird interactions) reúne dados de interações beija-flor e suas fontes de recurso ao longo de gradientes altitudinais em três paises: Brasil, Costa Rica e Equador. Os dados foram coletados entre 2017 e 2022, em um projeto coordenado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e o Mater Natura no Brasil. 

Março de 2024 marcou o início das análises sobre a variação dos atributos florais das plantas polinizadas por beija-flores no Brasil, Costa Rica e Equador. A pós-doutoranda Miriam Kaehler, do Laboratório de Interações e Biologia Reprodutiva da UFPR esteve no Swiss Federal Institute for Forest, Snow and Landscape Research (WSL), na Suíça, para trabalhar nos dados junto com a equipe no Instituto Suíço. 

Revisão da Lista Vermelha e do Livro Vermelho da Fauna Paranaense

No Brasil, a primeira lista estadual das espécies da fauna ameaçadas de extinção foi a produzida pelo governo do Paraná, em 1995. Em 2004, como produto de contrato estabelecido com órgãos ambientais do estado, o Mater Natura coordenou amplo processo de pesquisadores e instituições científicas que resultou na primeira revisão e atualização desta Lista Vermelha da Fauna Ameaçada de 1995 e, também, na produção do respectivo Livro Vermelho.
 
Quase 20 anos depois, em 2023, o igualmente projeto do Mater Natura, promoveu uma segunda revisão e atualização da Lista Vermelha da Fauna Ameaçada, compreendendo etapas distintas como a compilação inicial de dados sobre as espécies de animais ocorrentes no Paraná em 17 táxons, mapeamento dos registros (coordenadas geográficas) de animais pertencentes a estes grupos, seguido da validação dos dados coletados em consultas junto aos especialistas de cada táxon.  Também, foi realizada uma consulta pública que teve por objetivo coletar informações de pesquisadores e cidadãos voluntários sobre as espécies listadas para o Estado do Paraná.
 
Ao término de todo o processo, foram finalizadas as categorizações de ameaça de 14 táxons, sendo analisadas 5087 espécies da fauna paranaense pertencentes a 4 filos. Os resultados finais dos trabalhos foram entregues pelo Mater Natura, no final de 2023, ao Governo do Estado (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável – SEDEST e ao IAT – Instituto Água e Terra), para subsequente homologação na forma de um Decreto Estadual. No momento, encontra-se em análise a assinatura com o Mater Natura de um aditivo ao contrato, para a elaboração em 2024 de uma nova edição do Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção do Paraná.

Confira novidades sobre nossos projetos nas nossas redes: FacebookInstagram e LinkedIn.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina” A Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina” é fruto das informações obtidas ao longo das Oficinas de Diálogo Participativo (reuniões realizadas junto à comunidade pesqueira), que ocorreram no ano de 2023, como parte das atividades do projeto “Olha o

Áreas protegidas

Março foi mês de intercâmbio, workshop e Fórum Florestal

Intercâmbio da Rede Trinacional de Restauração da Mata Atlântica Entre os dias 6 e 8 de março, recebemos membros da Fundación Vida Silvestre da Argentina e uma representante da WeForest para um intercâmbio no âmbito das ações da Rede Trinacional de Restauração da Mata Atlântica. A visita técnica aconteceu nas áreas em processo de restauração realizadas pelo Mater

Rolar para cima