2º Encontro Diálogo dos Saberes abordou temas como mudança climática e impactos na pesca

Compartilhe esse conteúdo

No último sábado (29/07), o projeto “Olha o Clima, Litoral!” realizou o 2º Encontro de Diálogo de Saberes, em conjunto com a Festa do(a) Pescador(a) em Antonina/PR, na Praia da Ponta da Pita. A ação buscou se aproximar da população local, especialmente pescadores e pescadoras tradicionais, para promover trocas com especialistas ambientais sobre temas como a importância da conservação dos ecossistemas naturais da baía de Antonina e os impactos da mudança climática

Comunidade e importantes atores locais visitaram o estande do projeto, onde receberam informações e materiais como cartilhas – Foto: Maíra Alves

A bióloga, integrante do projeto, Juliana Pina realizou uma palestra durante a manhã, em que apresentou o projeto e abordou pontos relevantes sobre mudança climática e estudos relacionados ao tema, que estão sendo desenvolvidos pelo projeto, revelando dados sobre o futuro dos manguezais e ambientes costeiros do Litoral do Paraná. Também falou sobre os resultados de oficinas realizadas pelo projeto com a comunidade pesqueira de Antonina, que estão na cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina”

“Ao todo, contamos com a contribuição de 65 pessoas, entre lideranças locais, pescadores, pescadoras, marisqueiras e moradores locais para a elaboração deste material”, conta Juliana. 

A bióloga Juliana Pina fala sobre ações do projeto junto à comunidade pesqueira tradicional e sobre previsões de impactos da mudança climática no litoral do estado – Foto: Maíra Alves

Durante a tarde, outra integrante do projeto, a pesquisadora Maria Fernanda Ferreira Rivas abordou a problemática das braquiárias-d’água, espécies exóticas invasoras que se espalharam por mais de 75 hectares de manguezais e brejos salinos da baía de Antonina. Estes capins “sufocam” a vegetação nativa e ameaçam seriamente a biodiversidade local. 

Como possuem dispersão vegetativa rápida e insistente, uma vez que basta um “talinho” para que se reproduzam, é importante que a comunidade conheça o problema e, em especial os/as pescadores/as da região saibam os cuidados que devem ter ao interagir com estes capins. “Muitos pescadores amarram os barcos na escosta e acabam soltando pedaços destas espécies de capim na água. O rio carrega estes talinhos para outro terreno, onde eles podem se instalar e se reproduzir rapidamente”, explica Maria Fernanda.

A pesquisadora Maria Fernanda Ferreira Rivas falou sobre cuidados para evitar a dispersão das braquiárias-d’água na região – Foto: Maíra Alves

Durante todo o evento, o estande do projeto recebeu visitas de vários moradores do município e importantes atores locais, que puderam saber mais sobre o projeto, conversar e receber cartilhas sobre os temas abordados, além de ganhar brindes, como bonés, garrafinhas e camisetas do projeto.

Integrantes do projeto que participaram do evento: Larissa Teixeira, Maria Fernanda Ferreira Rivas, Juliana Pina, Anabel de Lima e Elielson Marcelino – Foto: Maíra Alves

O projeto Olha o Clima, Litoral! é realizado pelo Mater Natura em parceria com a Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Mudança climática: projeções e recomendações para o Litoral do Paraná – Estudos de elevação do nível do mar e quantificação de estoques de carbono azul

O relatório Estudos de elevação do nível do mar e quantificação de estoques de carbono azul é o primeiro de uma série de publicações intitulada Mudança climática: projeções e recomendações para o Litoral do Paraná, que serão concluídas até o final do ano pelo projeto “Olha o Clima, Litoral!”, realizado pelo Mater Natura – Instituto

Nossas ações

2º Encontro Diálogo dos Saberes abordou temas como mudança climática e impactos na pesca

No último sábado (29/07), o projeto “Olha o Clima, Litoral!” realizou o 2º Encontro de Diálogo de Saberes, em conjunto com a Festa do(a) Pescador(a) em Antonina/PR, na Praia da Ponta da Pita. A ação buscou se aproximar da população local, especialmente pescadores e pescadoras tradicionais, para promover trocas com especialistas ambientais sobre temas como

Rolar para cima