Oficina para o Desenvolvimento Rural Sustentável e visita técnica ao projeto Refloresta o Lagamar

Compartilhe esse conteúdo

Na reta final do projeto Refloresta o Lagamar, realizamos em 15 de abril a Oficina para o Desenvolvimento Rural Sustentável no litoral paranaense, que reuniu 28 pessoas no Parque Estadual do Palmito, em Paranaguá-PR.

O objetivo da oficina foi debater junto aos órgãos públicos a regulamentação da restauração florestal produtiva; o fortalecimento da organização social para comercialização de produtos florestais nativos não madeireiros; e a vulnerabilidades social e segurança alimentar.

Participaram chefias e técnicos dos órgãos públicos de desenvolvimento rural do litoral do Paraná, como o IDR, a Seab, Adapar, IAT, Prefeitura Municipal de Morretes, Embrapa Florestas, Rede Ecovida, Paraná Mais Orgânico, ICMBIO e o Instituto Ecoe.

Já nos dias 17 e 18 de abril, integrantes do Pacto pela Restauração da Mata Atlântica estiveram junto à equipe do projeto Refloresta o Lagamar para realizar avaliação das áreas de restauração e enriquecimento do projeto.

Os locais de visita englobaram os viveiros parceiros do projeto (viveiros do IAT em Morretes e do Ekôa Park), que receberam sementes oriundas das coletas do projeto e realizaram produção de mudas utilizadas nas áreas de restauração e enriquecimento.

Os integrantes também inspecionaram as áreas de restauração na RPPN Encantadas, RPPN Graciosa, RPPN Encontro das Águas, Parque Estadual do Rio da Onça e Parque Estadual do Palmito. Nessas áreas foi avaliado o sucesso da restauração, observando a cobertura da vegetação nativa, número de espécies plantadas, taxa de mortalidade das mudas plantadas e regeneração natural.

Pacto pela Restauração da Mata Atlântica é responsável pelo monitoramento das áreas restauradas pelo projeto, realizando vistorias semestrais para conferir o andamento do processo. O Mater Natura faz parte da gestão do Conselho de Coordenação do movimento, e também é sua Unidade Regional no Paraná.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Mutirão remove 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais de Antonina

Ação visa sensibilizar e envolver a comunidade em ações para manutenção da biodiversidade e maior resiliência climática O Mutirão de remoção de braquiárias-d’água, realizado no dia 11 de maio pelo projeto “Olha o Clima, Litoral!”, removeu cerca de 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais e ambientes associados da baía de Antonina, no Paraná – que

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água” As braquiárias-d’água são espécies exóticas invasoras de capim trazidas da África para o Brasil, muito utilizadas na alimentação de búfalos, bois e também em plantações de café e milho. No litoral do Paraná, elas foram usadas em pastagens para búfalos na

Rolar para cima