Websérie mostra ações para manutenção da biodiversidade e resiliência à mudança climática no litoral do Paraná

Compartilhe esse conteúdo

Objetivo é documentar e divulgar restauração ecológica de manguezais e brejos salinos na baía de Antonina e conjunto de ações para redução de impactos da mudança climática

Já está disponível o primeiro episódio da websérie “Olha o Clima, Litoral!”, que vai mostrar, até o final de 2024, um pouco da biodiversidade e das belezas naturais do litoral paranaense, e o que o projeto “Olha o Clima, Litoral!” está fazendo para preservá-las. 

A faixa litorânea paranaense é a segunda menor no Brasil, com cerca de 100 km de costa, mas é uma das mais relevantes quando o assunto é biodiversidade. É nesse trecho da costa brasileira que estão alguns dos mais importantes estuários – ambientes em que o encontro dos rios com o mar proporciona a concentração de muitos nutrientes e possibilita a formação de manguezais e ecossistemas associados, como os brejos salinos.

“Esses ecossistemas são muito ricos em biodiversidade e importantíssimos para nós, por serem berçários da vida marinha, protetores das áreas costeiras, grandes atenuadores de efeitos da mudança climática e fornecedores de alimento para diversas espécies, incluindo o ser humano”, explica o biólogo e coordenador do projeto, Marcos Bornschein.

Ao longo de seis episódios, a websérie vai acompanhar o processo de restauração ecológica de manguezais e brejos salinos invadidos por capins exóticos na baía de Antonina, bem como a recomposição de flora e de aves, com monitoramento focado no bicudinho-do-brejo – uma espécie de ave que só ocorre em brejos salinos do litoral sul do Brasil e é ameaçada de extinção principalmente pelos impactos da disseminação desses capins exóticos. O bicudinho-do-brejo foi descoberto em 1995 por pesquisadores do Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, que executa o projeto com apoio da Petrobras, pelo programa Petrobras Socioambiental.

A série também vai registrar um conjunto de atividades voltadas à mitigação da mudança climática, como estudos relacionados ao tema, mapeamento de áreas de risco, ações de articulação territorial nos sete municípios do litoral paranaense e atividades direcionadas ao fortalecimento comunitário, educação ambiental e formação de agentes multiplicadores em Antonina (PR).

“Estamos chegando em um momento crucial em que, se não agirmos rapidamente, anularemos a nossa capacidade de reagir, tanto pela perda de espécies e de suas funções nos ambientes, quanto pela fragilização dos ecossistemas como provedores de serviços ecossistêmicos”, alerta Bornschein. 

Primeiro episódio: o capim invasor

O primeiro episódio da série apresenta um problema sério: a degradação ambiental causada pela invasão das braquiárias-d’água, plantas exóticas africanas que foram trazidas ao Brasil para servirem de pasto para búfalos e bois e que, ao longo dos anos, invadiram centenas de hectares de áreas úmidas no litoral paranaense. O estuário da baía de Antonina é o mais afetado atualmente no Paraná, com 75 hectares contaminados biologicamente pelas braquiárias-d’água.

“As braquiárias sufocam as plantas nativas de brejos e manguezais, diminuindo a riqueza de espécies e provocando a perda de ambientes para muitos animais”, explica a pesquisadora responsável pelas ações de restauração e monitoramento do projeto, Larissa Teixeira. A invasão de espécies exóticas é considerada a segunda maior causa de extinção de espécies no mundo, atrás apenas da perda de ambientes causada pela exploração humana direta.

“Realizamos o manejo das braquiárias-d’água com o corte das plantas com roçadeira o mais próximo possível das raízes. A biomassa roçada é empilhada em montes, que são revirados algumas vezes até que as braquiárias deixem de brotar”, conta Teixeira. Até o final de 2024, a meta do projeto “Olha o Clima, Litoral!” é restaurar 6 hectares de manguezais e brejos salinos da baía de Antonina. 

Confira o trailer da série:

Sobre o projeto “Olha o Clima, Litoral!”

O projeto “Olha o Clima, Litoral!” atua para a manutenção da biodiversidade e a resiliência à mudança climática no litoral do Paraná, com foco na conservação e na restauração de manguezais e ambientes associados. É realizado pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, por meio do programa Petrobras Socioambiental, na linha de atuação de Florestas.
 
O projeto visa desenvolver e implementar, de forma participativa, estratégias e práticas de Adaptações baseadas em Ecossistemas (AbE) dirigidas aos manguezais, brejos salinos e comunidades do litoral paranaense. Com a abordagem da Teoria da Mudança, atua nas áreas de restauração ecológica, monitoramento de flora e avifauna, adaptação à mudança climática, articulação territorial e ações socioambientais.
 
Para mais informações acesse: www.climalitoral.org.br
Contatos para imprensa: (41) 99716-0054 – [email protected]
 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina” A Cartilha “Realidade e desafios da pesca artesanal em Antonina” é fruto das informações obtidas ao longo das Oficinas de Diálogo Participativo (reuniões realizadas junto à comunidade pesqueira), que ocorreram no ano de 2023, como parte das atividades do projeto “Olha o

Áreas protegidas

Março foi mês de intercâmbio, workshop e Fórum Florestal

Intercâmbio da Rede Trinacional de Restauração da Mata Atlântica Entre os dias 6 e 8 de março, recebemos membros da Fundación Vida Silvestre da Argentina e uma representante da WeForest para um intercâmbio no âmbito das ações da Rede Trinacional de Restauração da Mata Atlântica. A visita técnica aconteceu nas áreas em processo de restauração realizadas pelo Mater

Rolar para cima