Sítio Ramsar Guaratuba, uma contribuição do Instituto Mater Natura para a conservação de áreas úmidas no Paraná

Compartilhe esse conteúdo

 

Foto: Hudson Garcia
Vista do mirante da Reserva Bicudinho-do-brejo. Foto: Hudson Garcia

12 de dezembro de 2017, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

A Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaratuba foi criada pelo Governo do Paraná em 1992. Com quase 200 mil hectares de extensão, ela engloba todo o município de Guaratuba e parte dos municípios de Matinhos, Tijucas do Sul, São José dos Pinhais e Morretes, no Paraná. Em seu interior encontram-se as unidades de conservação de proteção integral: Parque Nacional Saint Hilaire/Lange, Parque Estadual do Boguaçu, Parque Nacional Guaricana e Parque Municipal da Lagoa do Parado.

Esta APA tem grande importância para a conservação da biodiversidade paranaense, devido à diversidade de ecossistemas, abrigando florestas de diversas tipologias vegetais, manguezais, áreas estuarinas, brejos, várzeas e banhados, montanhas, praias e restingas, que são berços de rica fauna associada.

Edição GEO, 2017 - IAP, 2017.
Área de Proteção Ambiental de Guaratuba e demais unidades de conservação de proteção integral. Edição GEO, 2017 – IAP, 2017

Em 29 de setembro deste ano, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) comunicou que, por solicitação do governo brasileiro, a Unesco declarou cerca de 40 mil hectares da APA de Guaratuba como Sítio Ramsar Guaratuba. Sítio Ramsar é um título internacional concedido a local prioritário para a proteção de áreas úmidas e habitats aquáticos que conservam diversas espécies, principalmente aves migratórias.

Há duas décadas a região do novo Sítio Ramsar é objeto de atenção do Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, organização paranaense da sociedade civil (OSC) fundada há 34 anos. O motivo é que a área abriga a maior população global do Bicudinho-do-brejo (Stymphalornis acutirostris), 2.762 indivíduos estimados. A ave endêmica de áreas úmidas da região sul do Brasil foi descoberta em 1995 pelos pesquisadores e biólogos do Instituto, Bianca Luiza Reinert e Marcos Bornschein e é ameaçada de extinção.

Para a designação de Sítio Ramsar, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), por meio da Convenção RAMSAR, solicita que o país solicitante preencha um formulário com um diagnóstico sobre a área a ser designada. Este diagnóstico foi realizado por equipe técnica do projeto “Implantação do Plano de Conservação do Bicudinho-do-Brejo”, executado pelo Mater Natura com o apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), por meio do Tropical Forest Conservation Act (TFCA). Um dos objetivos do projeto foi a produção de um documento que subsidiou o Comitê Nacional de Zonas Úmidas (CNZU), colegiado vinculado ao MMA, a propor à Unesco em 2014 a criação de um novo Sítio Ramsar na APA de Guaratuba.

Para embasar a indicação da região de Guaratuba como Sítio Ramsar, inicialmente foi realizado um levantamento e análise dos documentos da Convenção Ramsar e do MMA contendo informações sobre a região. Na sequência foi organizada uma oficina com pesquisadores, representantes do Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Instituto Ambiental do Paraná (IAP), com o objetivo de definir os limites da área a ser indicada para Sítio Ramsar e busca de informações mais especificas sobre a região. Neste sentido, foi constatado o registro de cerca de 350 espécies de aves no Sítio Ramsar, sendo que 12 delas são ameaçadas de extinção no âmbito global (IUCN, 2017).

A coordenadora do projeto, Bianca Reinert, recebe este reconhecimento como a realização de um sonho, mas também alerta para a necessidade de continuar os esforços locais de conservação. “Apesar deste título internacional ser muito importante não podemos esquecer que também temos problemas e precisamos continuar trabalhando para minimizá-los. Ainda temos muito o que fazer, citando como exemplo o controle da braquiária d´água, uma planta exótica invasora”.

A analista ambiental do IAP e chefe da APA de Guaratuba, Célia Rocha, diz que o título internacional traz maior visibilidade para as áreas úmidas da APA, o que mostra a importância e o estado de conservação da reserva, bem como a implementação de políticas públicas para beneficiá-la. “Desde 2006 o Mater Natura vem atuando em parceria com a gerência da APA Estadual de Guaratuba, então nós agradecemos por esse título aos pesquisadores envolvidos no projeto: Bianca Luiza Reinert, Marcos Ricardo Bornschein, Ricardo Belmonte Lopes e Karina Luiza de Oliveira”, destaca.

Desde 1998, a Fundação Grupo Boticário é parceira do Mater Natura, ao financiar, nesta região, a execução de diversos projetos que permitiram pesquisar a distribuição geográfica, caracterizar floristicamente os ambientes de ocorrência, quantificar a população e avaliar o status de conservação do Bicudinho-do-brejo. De 2012 até 2017 apoiou um programa piloto do instituto para controle da Braquiária d´água, que ameaça a área de abrangência da ave. A Fundação, igualmente, apoiou projeto que estabeleceu padrões de vulnerabilidade de populações das aves estuarinas bate-bico (Phleocryptes melanopis) e bonito-do-piri (Tachuris rubrigastra) às mudanças climáticas, e ainda possibilitou coleta de informações sobre as aves ameaçadas de extinção Maria-da-restinga (Phylloscartes kronei) e Maria-catarinense (Hemitriccus kaempferi) com estudos sobre sua área de vida e sua biologia reprodutiva. Da mesma forma, a Fundação apoiou proposta para transformar em RPPN a Reserva Bicudinho-do-Brejo, uma pequena área de conservação privada adquirida na baia de Guaratuba por cinco associados do Mater Natura.

Imagem aérea de áreas úmidas na APA de Guaratuba. Em amarelo, a Reserva Bicudinho-do-brejo, adquirida e mantida por cinco associados do Mater Natura.
Imagem aérea de áreas úmidas na APA de Guaratuba. Em amarelo, a Reserva Bicudinho-do- brejo. Crédito: Emerson Oliveira

O coordenador de Ciência e Informação da Fundação Grupo Boticário, Emerson Oliveira, ressalta que a área é muito pressionada por atividades econômicas, especialmente monocultura de banana e pecuária com búfalos. “Esperamos que o reconhecimento como Sítio Ramsar sirva de rendimento socioeconômico para população local com o turismo e uso sustentável das áreas onde há esta permissão”, menciona. Segundo ele, o reconhecimento abre possibilidades de instituições obterem recursos para viabilizar a conservação de forma compatível com uso sustentável de recursos.

O Funbio recebe a notícia com grande satisfação, segundo a secretária geral da OSCIP, Rosa Lemos de Sá. “O título é um reconhecimento à dedicação e ao trabalho liderado há duas décadas pelo Mater Natura e ficamos contentes em ter apoiado a iniciativa por meio do TFCA”.

O diretor da USAID/Brasil e representante do Governo dos Estados Unidos no Comitê TFCA, Michael Eddy, explica que o fundo foi uma parceria do Governo do Brasil e dos EUA em que a paixão, seriedade e profissionalismo aplicado pelas organizações no desenvolvimento dos projetos foram vitais para o seu sucesso.

Sobre o TFCA

O Tropical Forest Conservation Act (TFCA) é uma lei americana de 1998 que viabiliza a troca de parte da dívida de um país com os EUA por investimentos ambientais. O primeiro acordo TFCA foi assinado em 2001 em Belize, e até o momento a USAID contabiliza mais de US$ 223 milhões destinados para 19 acordos com 14 países.

O Brasil e o EUA assinaram o acordo em 2010, o que permitiu destinar USD 20,8 milhões a 89 iniciativas de conservação no Brasil em três biomas: Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica. O Funbio é a secretaria executiva do Comitê da Conta TFCA no Brasil, presidido pelo Ministério do Meio Ambiente.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Lista de Espécies da Fauna Ameaçada no Paraná é atualizada com coordenação do Mater Natura

A Lista de Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção do Paraná teve uma nova atualização anunciada na última quinta-feira (06/06) pelo Governo do Estado do Paraná, por meio do Decreto 6.040/2024. A atualização foi realizada pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest), pelo Instituto Água e Terra (IAT) e pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais e integra um esforço

Nossas ações

Confira nossas iniciativas de Políticas Públicas em maio

O mês de maio foi intenso em termos de participação do Mater Natura em reuniões de políticas públicas ambientais. Além dos eventos do Projeto Político Pedagógico Mediado Pela Educação Ambiental (PPPEA) de Guaratuba, destacamos as seguintes atividades: (1) No dia 07, o presidente do Mater Natura, Paulo Pizzi, e o técnico César Tavares participaram de reunião

Rolar para cima