Projeto executado pelo Mater Natura estudará interações entre espécies de beija-flores e plantas na Mata Atlântica

Compartilhe esse conteúdo

24 de novembro de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.
Atualizado em 26 de novembro de 2019.

Neste mês de novembro foi formalizado contrato de patrocínio para mais um novo projeto do Mater Natura. Agora, o Instituto tem em seu portfólio um total de 87 projetos concluídos ou em desenvolvimento.

O  projeto será executado de novembro de 2019 a Outubro de 2021, e resulta da parceria com a Universidade Federal do Paraná – UFPR através do Laboratório de Interações e Biologia Reprodutiva, que se responsabilizará por sua coordenação técnica, sendo o Mater Natura o responsável por sua gestão administrativa e financeira.

Trata-se do projeto Developing the predictive ecology of plant-animal interaction sacross space and time (“Desenvolvendo a ecologia preditiva das interações planta-animal através do espaço e do tempo”), a ser financiado pelo European Research Council (ERC), e tendo o Swiss Federal Institute for Forest, Snow and Landscape Research (WSL) como parceiro técnico internacional.

Esse projeto visa avaliar a variação espacial da diversidade de interações entre plantas e beija-flores em um gradiente altitudinal da Mata Atlântica com a finalidade de entender como as espécies e as interações respondem às mudanças ambientais causadas pelo homem, , tendo como um dos seus objetivos propor medidas de conservação da biodiversidade e os serviços ecossistêmicos que ela sustenta.

Neste projeto é proposta a análise de atributos funcionais e de redes complexas para o entendimento dos processos organizadores de comunidades em uma escala local e regional em assembleias de beija-flores e suas fontes de néctar na Mata Atlântica. A presente proposta reúne perguntas realizadas em escalas locais na Mata Atlântica, com coletas de dados em campo, que se integram a perguntas em escala regional através da avaliação das redes de interações e diversidade funcional e filogenética em um gradiente altitudinal. Serão feitas amostragens em três cotas altitudinais no Sudeste brasileiro. A cota altitudinal baixa será amostrada no Parque Estadual da Serra do Mar, núcleo Picinguaba (Ubatuba-SP); a cota altitudinal média,no Parque Estadual da Serra do Mar, núcleo Cunha (Cunha-SP) e a cota altitudinal alta , no Parque Nacional do Itatiaia (Itatiaia-RJ).

 

Parque Nacional do Itatiaia - Um dos locais de coleta.
Parque Nacional do Itatiaia (RJ) – Um dos locais de coleta.

As perguntas em escala local envolvem as interações locais, o efeito da limitação polínica sobre a aptidão das plantas e o levantamento da diversidade funcional. Em escala regional, será avaliada a dissimilaridade biótica entre áreas, que é uma ferramenta importante para detectar padrões em ecologia de comunidades, biogeografia e evolução e que pode ser usada para inferir processos subjacentes. Neste aspecto, a avaliação do turnover de interações a partir de seu componente de diversidade beta de espécies e diversidade beta de reconexões serão consideradas. Desta forma, um arcabouço analítico extenso está sendo considerado para subsidiar entendimento científico dos processos envolvidos nas interações entre espécies de beija-flores e plantas na Mata Atlântica.

Beija-flor na Mata Atlântica.
Beija-flor na Mata Atlântica.


Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Institucional

Mater Natura aprova projeto junto ao MMA e Funbio

O projeto “Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica” propõe a restauração e enriquecimento florestal de 181,1 hectares da vegetação nativa em sete Unidades de Conservação estaduais e privadas do Lagamar paranaense e a ampliação da cadeia produtiva de sementes e mudas destinadas à

Rolar para cima