Confira os Resultados Preliminares do Projeto Refloresta o Lagamar para conservação da Mata Atlântica

Compartilhe esse conteúdo

O Projeto Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica iniciou suas atividades em dezembro de 2021 e tem por objetivo geral promover ações de restauração de 181,1 hectares da vegetação nativa em Unidades de Conservação do Lagamar paranaense.

A ênfase está no incremento das populações de espécies da flora ameaçadas, raras, e com intenso histórico de exploração, além de ampliar a cadeia produtiva da produção de sementes e mudas destinadas à restauração florestal no litoral do Paraná.

É uma das iniciativas que recebe apoio do Projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA),  no contexto da Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, no âmbito da Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI) do Ministério do Meio Ambiente, Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear da Alemanha (BMUB), com apoio financeiro através do KfW Entwicklungsbank (Banco Alemão de Desenvolvimento), por intermédio de gestão efetuada pela Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – FUNBIO.

O projeto, que conta com a parceria do IAT (Instituto Água e Terra) e proprietários de RPPN da região, está sendo desenvolvido nas seguintes unidades de conservação do litoral do Paraná: Estação Ecológica do Guaraguaçu, Parque Estadual do Rio da Onça, Parque Estadual do Palmito, Parque Estadual do Pau Oco, RPPN Encontro das Águas, RPPN Graciosa, RPPN Encantadas e Reserva Myrtlau, conforme o destaque em vermelho do mapa abaixo:

Área de atuação do projeto com foco na conservação da Mata Atlântica.

Como resultado neste primeiro ano de projeto tem-se a realização de um curso de capacitação técnica, ministrado pelos parceiros do Projeto – a Sociedade Chauá, que possui uma experiência de mais de 20 anos em produção de mudas de espécies raras e ameaçadas. Este curso, com carga horária de 40 horas, contou com a participação de 24 profissionais (biólogos, agroecólogos, engenheiros florestais e agricultores). 

Curso de restauração florestal promovido pela Sociedade Chauá. 

Além do curso, também foram ministradas palestras para estudantes universitários e a participação em eventos.

Sensibilização ambiental na I Feira de Sementes e Mudas do Litoral do Paraná em Morretes. 

Ademais, foram realizadas ações de articulação institucional junto às prefeituras municipais, organizações da sociedade civil, lideranças comunitárias e instituições de ensino e pesquisa para mobilização de atores locais visando o fortalecimento da cadeia produtiva de espécies nativas e da  restauração florestal na região.

Reunião de integração com técnicas da SPVS e Mater Natura. 

Com relação às ações de restauração florestal, foi realizado um diagnóstico detalhado das unidades de conservação e sobrevoo com drone  com o intuito de descrever os diferentes cenários encontrados, definir e planejar as ações de restauração das áreas degradadas e enriquecimento florestal com foco em espécies raras, ameaçadas e com intenso histórico de exploração local. 

Sobrevoo com drone sobre a RPPN Encantadas, em Antonina.

Durante este primeiro ano de projeto, foi realizado o controle de espécies exóticas, lianas e trepadeiras; implantação de 18 poleiros artificiais, visando a dispersão de sementes por aves; manejo de vegetação invasora, preparação de terreno e plantio de 5.336 mudas em mais de 3 ha de áreas degradadas; realizado o enriquecimento florestal de 47 ha, com plantio de 6.511 mudas nativas; e condução de regeneração natural (controle de exóticas e coroamento das mudas arbóreas e arbustivas regenerantes) em 3,2 ha. 

Todas as mudas plantadas estão sendo georreferenciadas, bem como foram definidas linhas específicas para o monitoramento. 

Área degradada em processo de restauração florestal no Parque Estadual Rio da Onça.

Até o momento foram obtidas 15.365 mudas de 80 espécies de plantas pioneiras, secundárias iniciais, secundárias tardias e clímax, oriundas das instituições parceiras, viveiros do Instituto Água e Terra (IAT), Sociedade Chauá, Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI) e EKÔA PARK/Instituto Hórus – Projeto Salvando Árvores em Extinção.

Retirada de mudas no EkoaPark, doadas pelo projeto Salvando Árvores em Extinção.

Além da restauração florestal e mobilização social, o projeto também atua com a coleta de sementes e parceria com o IAT para o seu beneficiamento e a produção de mudas que  serão doadas pelo Estado através do programa Paraná Mais Verde.

Para definição das espécies alvo do projeto foi realizada uma extensa revisão bibliográfica e definidas três listas de espécies: diversidade, pioneira e conservação.   Até o momento a equipe identificou  326 matrizes cadastradas de 71  espécies, sendo 19 ameaçadas ou raras.

As buscas de matrizes e coleta de sementes estão sendo realizadas nas unidades de conservação estaduais, RPPN e propriedades particulares do lagamar paranaense, com o apoio do calendário fenológico elaborado pela equipe do projeto.  

Percurso de monitoramento de reserva de matrizes.

Durante o segundo semestre de 2022, foram coletados 761,146 Kg de frutos, com uma riqueza de 54 espécies, sendo 7 ameaçadas de extinção.

Siga acompanhando os nossos artigos para mais atualizações! 


Apoio e financiamento:

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Lista de Espécies da Fauna Ameaçada no Paraná é atualizada com coordenação do Mater Natura

A Lista de Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção do Paraná teve uma nova atualização anunciada na última quinta-feira (06/06) pelo Governo do Estado do Paraná, por meio do Decreto 6.040/2024. A atualização foi realizada pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável (Sedest), pelo Instituto Água e Terra (IAT) e pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais e integra um esforço

Nossas ações

Confira nossas iniciativas de Políticas Públicas em maio

O mês de maio foi intenso em termos de participação do Mater Natura em reuniões de políticas públicas ambientais. Além dos eventos do Projeto Político Pedagógico Mediado Pela Educação Ambiental (PPPEA) de Guaratuba, destacamos as seguintes atividades: (1) No dia 07, o presidente do Mater Natura, Paulo Pizzi, e o técnico César Tavares participaram de reunião

Rolar para cima