Meu Paraná homenageia a bióloga Bianca Reinert

Compartilhe esse conteúdo

No último sábado, dia 4 de março, o programa “Meu Paraná”, da RPC-TV, apresentou uma edição especial totalmente dedicada às pesquisadoras do litoral paranaense, em celebração ao Dia Internacional das Mulheres. 

Como não poderia deixar de ser, uma das cientistas homenageadas foi a bióloga e ornitóloga Bianca Reinert (1966-2018), membro do Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, que ela ajudou a construir e tornar reconhecido em todo o país, graças ao seu incansável trabalho.

Bianca, que dedicou praticamente a vida toda ao estudo e à conservação do litoral paranaense, foi uma das descobridoras da ave bicudinho-do-brejo em 1995, considerada ameaçada de extinção. Desde então, ela abraçou a causa pela conservação da ave e participou da criação de uma reserva de proteção à espécie, no município de Guaratuba.

Hoje, inúmeras profissionais se inspiram na trajetória de Bianca, de olho no céu ou com os pés na lama, pela preservação da natureza no litoral do Paraná. Conheça as histórias de algumas delas na reportagem disponível no GloboPlay.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Mutirão remove 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais de Antonina

Ação visa sensibilizar e envolver a comunidade em ações para manutenção da biodiversidade e maior resiliência climática O Mutirão de remoção de braquiárias-d’água, realizado no dia 11 de maio pelo projeto “Olha o Clima, Litoral!”, removeu cerca de 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais e ambientes associados da baía de Antonina, no Paraná – que

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água” As braquiárias-d’água são espécies exóticas invasoras de capim trazidas da África para o Brasil, muito utilizadas na alimentação de búfalos, bois e também em plantações de café e milho. No litoral do Paraná, elas foram usadas em pastagens para búfalos na

Rolar para cima