Atingimos o total de 113 projetos; confira os dois mais novos

Compartilhe esse conteúdo

 Em abril atingimos a significativa marca de 113 projetos do Mater Natura, em desenvolvimento ou já executados. Os dois novos projetos iniciados neste mês são: “Conecta UC: integrando unidades de conservação do Lagamar paranaense” e “Cuidando da Mata Atlântica – articulação Regional Sul da RMA”.

Conecta UC: integrando unidades de conservação do Lagamar paranaense

Encaminhado e aprovado no âmbito da Chamada 13/2023 do FUNBio – TAJ-Litoral para as linhas de atuação “Gestão Socioambiental” e “Uso Sustentável”. Após a  assinatura do contrato, foi realizada a primeira reunião de alinhamento com a equipe técnica e, no dia 21 de março, participamos da “Capacitação – Chamada de Projetos 13/2023 – TAJ Litoral do Paraná”, promovida pelo Funbio, para os projetos aprovados nesta chamada.

A equipe do projeto também realizou, no dia 08 de abril, uma reunião com o Prof. Eduardo Vedor e sua equipe do LAGEAMB – Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Ambientais da Universidade Federal do Paraná (UFPR), voltada para verificar possibilidades de integração de dados dos diagnósticos participativos. 

Tais diagnósticos serão realizados pelo Mater Natura com as comunidades do entorno das Unidades de Conservação (UCs) do litoral sul do Paraná, num período de 12 meses, com o diagnóstico que está sendo finalizado no litoral norte pelo projeto “Território Caiçara: harmonizando direitos das comunidades tradicionais das Ilhas das Peças e do Superagui”, da UFPR. 

O projeto será desenvolvido no entorno do Parque Nacional (PARNA) Guaricana, PARNA Saint-Hilaire/Lange, Parque Estadual (PE) do Palmito, Estação Ecológica (ESEC) do Guaraguaçu, Parque Estadual do Rio da Onça e Parque Estadual Boguaçu.

Ao longo dos 12 meses de duração do projeto serão realizados dois diagnósticos participativos: Diagnóstico de Ocupação e Uso do Território por populações tradicionais e seus modos de vida (desenvolvido por meio de oficinas participativas e aplicação de questionários em algumas comunidades identificadas como de interesse); e Diagnóstico da cadeia produtiva agroecológica no entorno das Unidades de Conservação (realizado por meio do levantamento de dados secundários, visitas técnicas e aplicação de questionários).

Cuidando da Mata Atlântica – Articulação Regional Sul da RMA

O segundo projeto recém aprovado se insere em um contexto mais amplo: em 2023 a Fundação SOS Mata Atlântica obteve a aprovação do Projeto “Fortalecimento Institucional da RMA”, junto à Fundação Hempel, da Noruega, com a meta de fortalecer coletivos da Mata Atlântica visando a execução de três projetos colaborativos a serem executados em cada região geográfica do bioma (Regiões Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil) em que a Rede das Organizações Não-Governamentais da Mata Atlântica (RMA) atua. 

Na primeira etapa deste projeto foram realizados, no segundo semestre de 2023, três  Encontros regionais (Nordeste, Sudeste e Sul) em que se reuniram organizações da sociedade civil (OSC) filiadas da RMA para a construção de planos colaborativos para projetos de advocacy ou conservação nos níveis regional e local. 

O projeto elaborado no encontro da Região Sul, denominado “Cuidando da Mata Atlântica – Articulação Regional Sul da RMA”, tem por objetivo contribuir com a conservação e restauração da Mata Atlântica através da articulação das organizações da RMA, na defesa do arcabouço legal que protege o bioma na Região Sul do país e o estímulo à criação e implantação de unidades de conservação. 

A gestão coordenada do projeto da RMA na Região Sul ficou a cargo do Mater Natura, que vai coordenar a execução de uma série de atividades ao longo de um ano, juntamente com outras, por conta da SPVS – Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, APREMAVI – Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida, e Instituto Mira-Serra.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Mutirão remove 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais de Antonina

Ação visa sensibilizar e envolver a comunidade em ações para manutenção da biodiversidade e maior resiliência climática O Mutirão de remoção de braquiárias-d’água, realizado no dia 11 de maio pelo projeto “Olha o Clima, Litoral!”, removeu cerca de 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais e ambientes associados da baía de Antonina, no Paraná – que

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água” As braquiárias-d’água são espécies exóticas invasoras de capim trazidas da África para o Brasil, muito utilizadas na alimentação de búfalos, bois e também em plantações de café e milho. No litoral do Paraná, elas foram usadas em pastagens para búfalos na

Rolar para cima