Unidades de Conservação do Lagamar Paranaense recebem plantio de mais de 40 mil mudas

Compartilhe esse conteúdo

O Mater Natura, por meio do projeto “Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica”, está finalizando a restauração e o enriquecimento florestal de 181,1 ha da vegetação nativa com o plantio de mais de 40 mil mudas em sete Unidades de Conservação do Lagamar Paranaense (Estação Ecológica do Guaraguaçu, Parques Estaduais do Rio da Onça e do Palmito, as RPPN Encontro das Águas, Reserva da Pousada Graciosa e Encantadas, e a Reserva Sol Nascente). Desenvolvido com o apoio do Fundo Nacional para a Biodiversidade (Funbio), do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e da Cooperação Brasil-Alemanha, neste mês de novembro o projeto completa dois anos de execução, em que se destacam os objetivos e produtos a seguir relatados.

Todas as linhas de plantio para enriquecimento foram marcadas e são monitoradas quanto ao sucesso de estabelecimento das mudas. A semeadura direta nas áreas de enriquecimento foi uma atividade desenvolvida ao longo de todo o projeto, de acordo com a possibilidade de coleta das sementes das espécies adequadas para esta prática. Foi dado foco nas espécies de palmeiras, que reconhecidamente, apresentam bom índice de sucesso de germinação após a semeadura direta em campo. 

Foi realizada a restauração de, aproximadamente, sete hectares de áreas degradadas em cinco unidades de conservação com o combate das espécies exóticas invasoras e a condução da regeneração natural. Nestas áreas foram plantadas por volta de 10 mil mudas 

A equipe do Mater Natural fez ao longo do projeto o mapeamento dos atores locais, que atuam de alguma forma na cadeia da restauração no litoral do Paraná, bem como está promovendo a ampliação da cadeia produtiva de sementes e mudas destinadas à restauração florestal no litoral do Paraná. 

Figura 2 - Fase de campo com o pessoal do Quilombo Rio Verde, municípo de Guaraqueçaba

 Foram realizadas visitas em comunidades, reuniões, estabelecidas parcerias e realizadas busca por novos recursos para continuidade do projeto.

Nos dois anos de execução do Projeto foram marcadas mais de 400 matrizes de espécies arbóreas, de 91 espécies, sendo 25 classificadas com algum grau de ameaça de extinção.

Também foram coletados 1.907 kg de sementes, destinadas aos viveiros do Instituto Água e Terra (IAT) em Morretes-PR e São José dos Pinhais, viveiros comunitários do projeto PRAD TEIA, viveiros do Centro de Convivência Agroecológica (CCA), da Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI), do EKÔA Park e viveiros da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS).

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Educadores de Antonina/PR fazem visita a manguezais e áreas de restauração do projeto

Educadores de Antonina/PR fazem visita a manguezais e áreas de restauração do projeto Na primeira terça-feira de dezembro (05/12), a equipe do projeto “Olha o Clima, Litoral!” teve a oportunidade de guiar pelos manguezais da região e pelas áreas de restauração do projeto os educadores de Antonina/PR, que participaram do curso “Educação Ambiental, Meio Ambiente

Eventos

Seminário Reconectando Florestas apresenta os resultados finais do Projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica

A equipe do Mater Natura, juntamente com o presidente da Associação do Quilombo Rio Verde, Jean Gonçalves Barreto, representaram o projeto Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica no III Seminário Reconectando Florestas em Porto Seguro – BA, entre os dias 04 a 07

Rolar para cima