Projeto Revigoramento Populacional do Bicudinho-do-brejo completou um ano de execução

Compartilhe esse conteúdo

24 de Março de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Atualizado em 25 de Março de 2019.

Há quase 25 anos o Mater Natura busca parcerias para apoiar os estudos da espécie Formicivora acutirostris, o Bicudinho-do-brejo, espécie de ave descoberta por nossos pesquisadores Bianca Reinert (in memoriam) e Marcos Bornschein em 1995.

Como parte destes estudos, está em execução o projeto “Revigoramento populacional do Bicudinho-do-brejo” executado pelo Mater Natura e patrocinado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, que completou um ano de execução em fevereiro. Seu objetivo é de ampliar a variabilidade genética de duas populações da espécie, uma de Morretes-PR e outra de Guaratuba-PR, por meio da translocação de ovos de uma população para outra. As ações realizadas neste ano sobre este projeto são descritas a seguir.

No início do mês de janeiro de 2019 foram encontrados alguns ninhos de bicudinho-do-brejo em início de construção. No entanto, nenhum destes ninhos chegou a ser concluído, sendo abandonados ainda em fase inicial (Figura 1). Este comportamento já dava indícios do fim da estação reprodutiva 2018/2019. Ainda em janeiro, foram anilhados cinco indivíduos de três casais, sendo duas fêmeas e três machos, cujos territórios vêm sendo monitorados em Morretes (Figura 2).

“Infelizmente, não conseguimos capturar a fêmea de um dos casais. O calor excessivo dificultou as capturas, mas ainda assim as atividades foram um sucesso”, mencionou Tiago, biólogo que integra a equipe do projeto. Durante as capturas foi constatada a presença de muitas mudas de penas em todos os indivíduos, o que confirma que a estação reprodutiva da espécie estava, de fato, se encerrando. Em fevereiro alguns territórios foram monitorados com o intuito de avaliar sua situação e dos seus respectivos casais. Adicionalmente, foram realizadas buscas pela localização do indivíduo proveniente do primeiro sucesso de translocação, a fêmea Eva, cujo o ovo foi translocado de Morretes para Guaratuba no ano passado.

A partir de março, estão sendo anilhados outros casais em Morretes, tendo como meta até o final de agosto, anilhar o maior número possível dos indivíduos monitorados por lá. Isto facilitará a correta identificação dos casais, possibilitando delimitar seus territórios, acompanhar seus ninhos, filhotes e observar seus comportamentos. Adicionalmente, serão realizadas buscas por outros territórios em locais ainda desconhecidos, os quais poderão ser acompanhados futuramente ao longo do projeto. Paralelamente às atividades de campo, daremos continuidade a tabulação e organização dos dados, divulgação do projeto, e elaboração dos relatórios.

Veja as fotos a seguir.

Figura 1– Ninho de bicudinho-do-brejo abandonado ainda em fase inicial.
Figura 1– Ninho de bicudinho-do-brejo abandonado ainda em fase inicial.
Figura 2– Casal anilhado com anilhas coloridas para posterior reconhecimento.
Figura 2– Casal anilhado com anilhas coloridas para posterior reconhecimento.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Institucional

Mater Natura aprova projeto junto ao MMA e Funbio

O projeto “Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica” propõe a restauração e enriquecimento florestal de 181,1 hectares da vegetação nativa em sete Unidades de Conservação estaduais e privadas do Lagamar paranaense e a ampliação da cadeia produtiva de sementes e mudas destinadas à

Rolar para cima