Conheça os resultados finais de dois projetos do Mater Natura para o estudo de Anfíbios

Compartilhe esse conteúdo

23 de Março de 2019, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Em 26 de fevereiro de 2019 foram concluídos dois projetos do Mater Natura direcionados ao estudo de anfíbios anuros nos estados do Paraná e Santa Catarina, desenvolvidos entre os anos de 2015 a 2019.

O primeiro deles é o projeto “Biodiversidade de Brachycephalus (Brachycephalidae) e Melanophryniscus (Bufonidae) endêmicos de florestas montanas do Paraná: descobrindo novas espécies e investigando sua variabilidade genética”. Neste projeto, continuamos esforços prévios iniciados em 2011 por outro de nossos projetos, que em conjunto resultaram na descoberta e descrição de 15 (quinze) novas espécies. Além disso, foi realizado o maior estudo genético já feito com anuros no Brasil em termos de números de marcadores (>1000 genes), permitindo uma avaliação sem precedentes das relações entre as espécies e sua variabilidade genética, além do sequenciamento do primeiro genoma mitocondrial completo para Brachycephalus.

O projeto foi um grande sucesso em termos de produção científica. Desde o início da sua vigência, em 2015 foram publicados 15 artigos científicos dos quais seis ainda do projeto anterior (“Riqueza, ecologia molecular e conservação de Melanophryniscus (Amphibia: Anura: Bufonidae) da Floresta Atlântica do sul do Brasil”, desenvolvido de 2011 a 2014), além da submissão de dois artigos. As implicações dos resultados obtidos estão sendo divulgados aos órgãos ambientais pertinentes como subsídios para a conservação destas espécies tão vulneráveis. Finalmente, os dados obtidos estão servindo para novas parcerias com outras instituições internacionais, como a University of Florida (EUA) e Guangxi University (China).

O segundo projeto também concluído em 26 de fevereiro, é o Cycloramphus bolitoglossus (Werner, 1897) (Amphibia, Anura): execução de ações do plano de ação nacional de conservação de espécies ameaçadas de extinção e estratégias para a conservação”, foi executado de 2016 a 2019. Este trabalho teve como objetivo a busca de novas populações e novas áreas de ocorrência para a espécie e também avaliar o nível de variabilidade genética das populações conhecidas. Somado a isso, foram realizadas análises para caracterizar o microhabitat, mapear áreas de ocorrência e indicar áreas passíveis de ocorrência da espécie na América do Sul. Em setembro e outubro de 2018 foi entregue um documento síntese com os resultados dos dois projeto aos técnicos do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) e do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) em reuniões em que se discutiram estratégias para a conservação da espécie estudada e dos Brachycephalus. Este documento subsidiou a criação do programa “Conservação dos anfíbios microendêmicos e de distribuição restrita de Santa Catarina”, através da Portaria IMA nº. 283/2018 de 18/12/2018.

Desta forma, geramos informações para preencher a lacuna de conhecimento de aspectos fundamentais para uma correta avaliação do status de ameaça destas espécies e orientar ações para conservação e manejo dos locais onde ocorrem. Os três projetos mencionados foram desenvolvidos com a finalidade de executar as ações previstas no Plano de Ação Nacional (PAN) para a Herpetofauna Sul, de responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Desenvolvidos pelo Mater Natura, os projetos citados contaram com parcerias firmadas com Universidades – Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP (Câmpus de São Vicente) –, e o patrocínio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Abaixo, fotos de algumas das espécies dos gêneros estudados durante os projetos.

Brachycephalus quiririensis. Foto: Luiz Fernando Ribeiro
Brachycephalus quiririensis. Espécie descoberta em 2015 pelos pesquisadores Marcio Pie e Luiz Fernando Ribeiro. Foto: Luiz Fernando Ribeiro.
Melanophryniscus milanoi. Foto: Luiz Fernando Ribeiro
Melanophryniscus milanoi. Especie descoberta em 2015 pelos pesquisadores Marcos Bornschein, Marcio Pie e Luiz Fernando Ribeiro. Foto: Luiz Fernando Ribeiro.
Cyclorhamphus bolitoglossus, fotografado por Sérgio Morato, na localidade de Mananciais da Serra (Piraquara-PR).
Cyclorhamphus bolitoglossus. Foto: Sérgio Morato.

Foto de capa: Brachycephalus mirissimus. Espécie descoberta em 2018, por Marcio R. Pie, Luiz Fernando Ribeiro e Marcos R. Bornschein.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Institucional

Mater Natura aprova projeto junto ao MMA e Funbio

O projeto “Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica” propõe a restauração e enriquecimento florestal de 181,1 hectares da vegetação nativa em sete Unidades de Conservação estaduais e privadas do Lagamar paranaense e a ampliação da cadeia produtiva de sementes e mudas destinadas à

Rolar para cima