Cientistas descobrem espécie de sapo minúsculo no Brasil

Compartilhe esse conteúdo

13 de agosto de 2015, notícia publicada no portal da BBC

Brachycephalus quiririensis (Luiz Fernando Ribeiro/Fundação Grupo Boticário)

Cientistas brasileiros descobriram uma nova espécie de sapo, de cerca de 1 cm de tamanho, na Serra do Quiriri, divisa de Santa Catarina com o Paraná.

A descoberta foi publicada nesta quinta-feira no periódico especializado PeerJ e ocorre dois meses depois da divulgação da descoberta de outras sete espécies de sapinhos semelhantes, identificadas pela mesma equipe.

O Brachycephalus quiririensis acaba de ser descoberto, mas já é considerado ameaçado: como vive apenas nessa região montanhosa (800 m a 1200 m de altitude) e precisa de um clima frio e úmido, é bastante sensível a mudanças climáticas e a alterações provocadas pelo homem.

Por isso, pode já estar ameaçado de extinção, explica o pesquisador Márcio Pie, do Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e um dos responsáveis pela descoberta.

“Essa espécie é importante por estar em uma região bastante perturbada, (em que as matas nativas estão sendo) cortadas por plantações de pinus”, explica Pie à BBC Brasil.

“A lei diz que a partir de uma determinada inclinação os pinus não poderiam ser plantados, mas isso acontece mesmo assim. Isso afeta toda a fauna e flora dessas altitudes e que é muito única, só existe lá. Proteger esses sapinhos é uma bandeira para proteger toda uma área já bastante vulnerável.”

O primeiro passo para essa proteção, diz Pie, é justamente a identificação.

“A partir da descrição (das espécies), vamos estudar as variabilidades genéticas e suas suscetibilidades a mudanças ambientais ou a parasitas – estes últimos são a principal causa de declínio populacional de muitos anfíbios no mundo.”

A pesquisa, financiada pela Fundação Grupo Boticário, há cinco anos analisa a diversidade de espécies de anfíbios que vivem em montanhas, desde o sul de São Paulo até o norte catarinense.

Primos próximos

Segundo Pie, como a região do Quiriri ainda não foi totalmente explorada pelos pesquisadores, outros pequenos sapos devem ser descobertos em breve.

Animais como os sapos Brachycephalus são particularmente sensíveis ao ambiente. Por isso, sentem o impacto até mesmo de mudanças de temperatura de uma montanha em relação a um vale. Isso faz com que a população de sapos em cada montanha se desenvolva, lentamente, em uma nova espécie.

Em junho, Pie e seus colegas publicaram um estudo anunciando a descoberta de sete minúsculos Brachycephalus nas montanhas entre o Paraná e Santa Catarina.

Todos eles têm cerca de um centímetro de comprimento e muitos possuem peles coloridas e venenosas, que afastam predadores.

Pie explica que o sapinho recém-descoberto é um “primo não muito distante” dosBrachycephalus identificados anteriormente.

Agora, as especificidades genéticas deles serão avaliadas pelo sequenciamento em larga escala de seus genes.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Eventos

Plano de Restauração da Mata Atlântica no Alto Paraná aponta os caminhos para a restauração na região

1º de julho de 2022, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais. Material foi elaborado pelo Mater Natura em parceria com o WWF-Brasil e aborda aspectos socioeconômicos para o fortalecimento da cadeia da restauração O “Plano de Restauração da Mata Atlântica na Ecorregião do Alto Paraná”, um documento norteador e que reúne

Prêmios

HOMENAGEM DO SINDIVET-PR

O Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Paraná (Sindivet-PR), em parceria com a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), realizou em 27 de maio um evento comemorativo ao Dia Nacional da Mata Atlântica. A fim de reconhecer as boas práticas já realizadas em torno da proteção à biodiversidade, o Sindivet

Rolar para cima