Equipe do Projeto Corredores de Biodiversidade promove curso sobre Sistemas Agroflorestais

Compartilhe esse conteúdo

03 de Julho de 2018, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Entre as ações previstas no escopo do projeto Corredores de Biodiversidade, patrocinado pelo BNDES e executado pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, está à capacitação dos parceiros. Durante os dias 26 e 27 de junho de 2018 ocorreu, no Parque Estadual Morro do Diabo, localizado no município de Teodoro Sampaio (SP), o curso Sistemas Agroflorestais (SAFs) e Princípios e Processos Agroecológicos. Estiveram presentes 27 participantes dos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

O curso foi ministrado pelo professor Jefferson Lima, mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável e idealizador do projeto Café com Floresta. A capacitação foi dividida entre teoria e prática, sendo a parte teórica realizada no Parque Estadual Morro do Diabo e a prática no Sítio 3 irmãos, de propriedade do Sr. Serafim e da Dona Marilene, onde Jefferson já atuou com o projeto Café com Floresta. Ocorreu ainda uma visita ao Viveiro Escola Alvorada.

Confiram as fotos!

Eriqui Inazaki, gestor do Parque Estadual Morro do Diabo, dando as boas-vindas aos participantes.
Eriqui Inazaki, gestor do Parque Estadual Morro do Diabo, dando as boas-vindas aos participantes.
Jefferson e Marcelo agradecem a presença de todos.
Jefferson e Marcelo agradecem a presença de todos.
Primeiro dia do curso Sistemas Agroflorestais e Princípios e Processos Agroecológicos
Primeiro dia do curso Sistemas Agroflorestais e Princípios e Processos Agroecológicos
Encerramento do primeiro dia de curso.
Encerramento do primeiro dia de curso.
Visita ao Viveiro Escola Alvorada
Visita ao Viveiro Escola Alvorada
Visita ao Viveiro Escola Alvorada
Visita ao Viveiro Escola Alvorada
Segundo dia do curso Sistemas Agroflorestais e Princípios e Processos Agroecológicos – Sítio 3 irmãos.
Segundo dia do curso Sistemas Agroflorestais e Princípios e Processos Agroecológicos – Sítio 3 irmãos.
Encerramento do segundo dia de curso.
Encerramento do segundo dia de curso.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Nossas ações

Mutirão remove 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais de Antonina

Ação visa sensibilizar e envolver a comunidade em ações para manutenção da biodiversidade e maior resiliência climática O Mutirão de remoção de braquiárias-d’água, realizado no dia 11 de maio pelo projeto “Olha o Clima, Litoral!”, removeu cerca de 80 kg de braquiárias-d’água de manguezais e ambientes associados da baía de Antonina, no Paraná – que

Biblioteca Olha o Clima, Litoral!

Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água”

Instagram Facebook-f Linkedin Youtube Cartilha “Manual de boas práticas para o manejo de braquiárias-d’água” As braquiárias-d’água são espécies exóticas invasoras de capim trazidas da África para o Brasil, muito utilizadas na alimentação de búfalos, bois e também em plantações de café e milho. No litoral do Paraná, elas foram usadas em pastagens para búfalos na

Rolar para cima