Equipe de projeto executado pelo Mater Natura realiza registro de espécie que não era vista há 10 anos

Compartilhe esse conteúdo

09 de janeiro de 2021, notícia publicada pelo Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais.

Atualizado em 14 de janeiro de 2021.

Mesmo com a pandemia de COVID-19 em curso durante o ano de 2020, a equipe responsável pela execução do projeto “Conservação de duas espécies de peixes anuais criticamente ameaçadas de extinção no Vale do Ribeira, Estado de São Paulo”, conseguiu realizar algumas expedições a lugares com acesso bastante difícil na região de Iguape – SP. Tomando todas as medidas de proteção individual e coletiva, e com autorização das autoridades sanitárias e ambientais da região, os pesquisadores do projeto realizaram uma descoberta bastante interessante: registraram a ocorrência do peixe-anual-de-Iguape, Campellolebias dorsimaculatus (Figuras 1 e 2), em uma nova localidade.

O achado foi muito comemorado pela equipe executora do projeto e por outros parceiros, como a coordenação do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Rivulídeos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), já que a espécie estava “desaparecida” há cerca de 10 anos. Uma descoberta muito relevante, pois essa espécie de peixe anual está classificada como “criticamente em perigo” pelas autoridades, o que significa que o seu risco de extinção é muito alto. Por isso os pesquisadores irão monitorar o novo local de ocorrência e também tentar estruturar um plantel de reprodutores em cativeiro, para que ações de conservação integrada, envolvendo estratégias in situ (na natureza) e ex situ (em aquários localizados em centros de pesquisa) possam ser realizadas. O projeto também irá promover a divulgação desse achado junto às escolas situadas no entorno da área de ocorrência da espécie, buscando informar professores e estudantes de diferentes níveis sobre a importância de se conservar ambientes como a restinga (fisionomia vegetal pertencente ao bioma Mata Atlântica, no qual C. dorsimaculatus ocorre) e de se promover o uso sustentável dos recursos naturais.

Os peixes rivulídeos vivem em ambientes aquáticos temporários que podem ser poças, lagos, lagoas, alagados, brejos e áreas marginais de riachos que se formam pela água empoçada durante as épocas chuvosas. O ciclo de reprodução é veloz. A água da chuva empoçada faz eclodirem os ovos fertilizados no substrato (cascalho, argila, areia e lama). Dentro de aproximadamente um mês, os animais, já adultos, estão aptos para um novo ciclo de reprodução. No máximo, eles vivem por nove meses, e não sobrevivem para verem seus filhos. Quando recomeçam as chuvas, o ambiente volta a alagar e os ovos eclodem formando nova população com as larvas então em forma de peixinhos, daí originando outro nome popular: peixes anuais (ICMBio, 2020).

Com a chegada da Década da Restauração de Ecossistemas (2021-2030), definida em uma Assembleia Geral das Nações Unidas, esperamos poder contribuir com o plano global da ONU para reunir apoio e executar ações para ampliar massivamente a restauração e a conservação de biomas como a Mata Atlântica. Essa abordagem irá auxiliar a promover a manutenção de hábitats críticos de espécies com distribuição geográfica bastante restrita, como o peixe-anual-de-Iguape, C. dorsimaculatus, cuja principal ameaça de extinção está relacionada justamente a destruição do seu hábitat.

Figura 1 – Macho de Campellolebias dorsimaculatus, o peixe-anual-de-Iguape, em aquário de campo. (Créditos: Domingos Garrone Neto).
Figura 1 – Macho de Campellolebias dorsimaculatus, o peixe-anual-de-Iguape, em aquário de campo. (Créditos: Domingos Garrone Neto).
Figura 1 – Macho (acima) e fêmea (abaixo) de Campellolebias dorsimaculatus, o peixe-anual-de-Iguape, em aquário de campo. (Créditos: Domingos Garrone Neto).
Figura 2 – Fêmea de Campellolebias dorsimaculatus, o peixe-anual-de-Iguape, em aquário de campo. (Créditos: Domingos Garrone Neto).
Figura 3 – Poça temporária localizada no interior de Mata de Restinga, em Iguape, no litoral sul do Estado de São Paulo (Créditos: Eduardo Omena Santinelli).
Figura 3 – Poça temporária localizada no interior de Mata de Restinga, em Iguape, no litoral sul do Estado de São Paulo (Créditos: Eduardo Omena Santinelli).

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba mensalmente o nosso informativo.

Posts Relacionados

Institucional

Mater Natura aprova projeto junto ao MMA e Funbio

O projeto “Refloresta o Lagamar: fortalecimento de áreas protegidas e da cadeia produtiva de restauração para conservação da Mata Atlântica” propõe a restauração e enriquecimento florestal de 181,1 hectares da vegetação nativa em sete Unidades de Conservação estaduais e privadas do Lagamar paranaense e a ampliação da cadeia produtiva de sementes e mudas destinadas à

Rolar para cima